Olhar Agro & Negócios

Segunda-feira, 25 de março de 2019

Notícias / Geral

Modernização da agropecuária 'luta' com baixa escolaridade, diz Atlas publicado pelo IBGE

A publicação revela que, de um total de 5,2 milhões de estabelecimentos agropecuários espalhados pelo Brasil afora, 3,9 milhões (75,9%) eram geridos por proprietários, correspondendo a 69% da área total dos estabelecimentos.

De Sinop - Alexandre Alves

19 Out 2012 - 10:45

A qualificação dos trabalhadores na agricultura não acompanha o avanço da tecnologia no campo. Esta é uma das constatações do Atlas do Espaço Rural Brasileiro, que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) acaba de lançar. A publicação integra dados do Censo Agropecuário 2006 e das pesquisas populacionais, sociais, econômicas e ambientais do Instituto.

Conforme o atlas, máquinas e insumos agrícolas marcaram a modernização da agricultura, mas na atual fase do processo destaca-se o consumo intensivo de capital intelectual (que congrega uma série de habilidades, competências, informações, conhecimentos, bancos de dados e técnicas). Mas este avanço não foi acompanhado pelos agricultores.

A publicação revela que, de um total de 5,2 milhões de estabelecimentos agropecuários espalhados pelo Brasil afora, 3,9 milhões (75,9%) eram geridos por proprietários, correspondendo a 69% da área total dos estabelecimentos. Desse contingente, 39% eram analfabetos ou sabiam ler e escrever sem terem frequentado escola e 43% não tinham completado o ensino fundamental.

As mulheres, que respondiam por cerca de 13% dos estabelecimentos agropecuários, tinham a maior taxa de analfabetismo (45,7%), contra 38,1% dos homens. As maiores taxas de analfabetismo, tanto para os proprietários quanto para os ocupantes, se concentravam nos municípios das regiões Norte e Nordeste do país.

A concentração dos maiores percentuais de produtores proprietários com nível médio de instrução (regular e profissionalizante) ocorre nas áreas de maior dinamismo da produção agrícola, com destaque no Centro-Sul, especialmente na região de domínio do complexo agroindustrial da soja e de outras commodities de exportação, demonstrando a correlação entre o aprimoramento técnico da agricultura e o nível de instrução do produtor rural.

Além dos níveis de escolaridade, o Atlas também levanta questões sociais, como os acesso a bens, saneamento, políticas públicas e justiça nos estabelecimentos agropecuários. Também são mostradas séries históricas de relevantes produtos da agropecuária nacional. Ainda reúne informações sobre as relações rural-urbano, mostrando, por exemplo, como o processo de modernização da agropecuária passou de um momento de grande mecanização para um maior investimento em capital intelectual, na forma de técnicas de irrigação, uso de sementes certificadas e transgênicas, acesso a assistência técnica, plantio direto, transferência de embriões, confinamento e inseminação, entre outros.

*Com informações do IBGE

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet