Olhar Agro & Negócios

Domingo, 16 de dezembro de 2018

Notícias / Emprego

Mato Grosso tem a segunda menor taxa de desocupação do país

Da Redação - Fabiana Mendes

14 Nov 2018 - 16:29

Foto: Rogério Florentino Pereira/OD

Mato Grosso tem a segunda menor taxa de desocupação do país
Mato Grosso é segundo estado do país com menor taxa de pessoas desocupadas com 14 anos ou mais. As menores taxas de desocupação foram observadas em Santa Catarina (6,2%), Mato Grosso (6,7%) e Mato Grosso do Sul (7,2%). Em relação ao segundo trimestre de 2018, houve uma queda de -1,8 ponto percentual em Mato Grosso. A única Unidade da Federação em alta (2,3 pontos percentuais) foi Roraima (de 11,2 para 13,5%).

Os dados foram divulgados na manhã de hoje, 14, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica.

Leia mais: 
Mato Grosso encerra último trimestre de 2016 com aumento de 72% no número de desempregados
 
No terceiro trimestre deste ano, Segundo dados da Pesquisa por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD), a taxa de subutilização da força de trabalho (que agrega os desocupados, os subocupados por insuficiência de horas e a força de trabalho potencial) foi de 14,3% no estado. Mato Grosso também está nos estados com menores taxas, assim como Santa Catarina (11,2%) e Rio Grande do Sul (15,5%).
 
No mesmo período também foi observado que as mulheres eram maioria desempregadas no país (51,1%). Na Região Centro-Oeste, o percentual das mulheres foi o maior: elas representavam 54,4% das pessoas desocupadas.
 
No setor privado do país, 74,1% dos empregados tinham carteira de trabalho assinada(estabilidade frente ao 3º trimestre de 2017). Os menores percentuais de empregados com carteira no setor privado estavam nas Regiões Nordeste (58,7%) e Norte (60,7%); o maior estava no Sul (83,4%). As UFs com os maiores percentuais foram Santa Catarina (88,4%), Rio Grande do Sul (82,8%) e São Paulo (81,1%), e as menores ficaram com Maranhão (51,1%), Piauí (54,1%) e Paraíba (54,9%).

No 3º trimestre de 2018, o número de empregados no setor privado sem carteira assinada cresceu 4,7% em relação ao trimestre anterior, uma alta de 522 mil pessoas. Frente ao 3º trimestre de 2017, esse aumento foi de 5,5% (601 mil pessoas). Entre as UFs, as maiores proporções foram no Maranhã (48,9%), Piauí (45,9%) e Paraíba (45,1%), e as menores foram em Santa Catarina (11,6%), Rio Grande do Sul (17,2%) e São Paulo (18,9%).

No terceiro trimestre de 2018, 92,6 milhões de pessoas estavam ocupadas, sendo 67,5% de empregados (incluindo empregados domésticos), 4,8% de empregadores, 25,4% depessoas que trabalharam por conta própria e 2,4% de trabalhadores familiares auxiliares. s regiões Norte (32,4%) e Nordeste (29,0%) apresentaram os maiores percentuais de trabalhadores por conta própria. Entre as UFs, os maiores percentuais foram do Pará (34,6%), Maranhão (33,8%) e Amazonas (33,0%), enquanto os menores ficaram com o Distrito Federal (19,4%), São Paulo (21,4%) e Santa Catarina (22,1%).

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • HONESTO
    14 Nov 2018 às 16:53

    Uma bença, mas infelizmente ainda está mal administrado por enquanto, vamos ver se a futura administre melhor e não se envolva em escândalos e corrupção, tem tudo para ser o melhor estado do país.