Agro Olhar

Terça-feira, 17 de outubro de 2017

Notícias / Economia

Comércio em Mato Grosso terá horário normal na Greve Geral, garante Fecomércio

Da Redação - Viviane Petroli

27 Abr 2017 - 07:51

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Comércio em Mato Grosso terá horário normal na Greve Geral, garante Fecomércio
O comércio em Mato Grosso abrirá normalmente nesta sexta-feira, 28 de abril, apesar do movimento de "Greve Geral" anunciado para a data. A informação é da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso (Fecomércio-MT). A paralisação nacional é contra as reformas da Previdência e Trabalhista, que hoje estão em debate no Congresso Nacional.

Leia mais:
Bancários de Mato Grosso aderem à greve geral do dia 28 de abril
 
O movimento teve adesão nacional já anunciada pelos bancários e aeroviários. Além dos bancários, deve aderir à paralisação os trabalhadores do sistema de transporte coletivo de passageiros que atuam nas cidades de Cuiabá e Várzea Grande.
 
"Respeitamos o direito de manifestação da sociedade, entretanto o ato que será realizado estimula uma ação prejudicial para a economia local, diante do cenário de recessão que o comércio de nosso estado está enfrentando ao longo dos últimos dois anos", pontua em nota o presidente da Fecomércio-MT, Hermes Martins da Cunha.
 
De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio (PMC), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no início de abril, Mato Grosso no primeiro bimestre (janeiro e fevereiro) apresentou uma queda de 3,9% no volume de vendas no comércio varejista em relação ao período em 2016. Somente fevereiro registrou queda de 6,3% frente ao mês o ano passado.
 
O presidente da Fecomércio-MT ressalta ainda que “Os números negativos ainda são acentuados no comércio local, devido aos baixos volumes de vendas e os feriados prolongados, que têm prejudicado sobremaneira a fluidez das transações comerciais e impedindo a circulação de receita que é necessária para a continuidade do ciclo econômico, além de captação de recursos para o pagamento das folhas salariais dos empregados das empresas”.
 
Confira nota da Fecomércio-MT:
 
“A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso, vem à público comunicar que os estabelecimentos comerciais do Estado funcionarão em seu horário normal na próxima sexta-feira, 28 de abril.
 
Respeitamos o direito de manifestação da sociedade, entretanto o ato que será realizado estimula uma ação prejudicial para a economia local, diante do cenário de recessão que o comércio de nosso estado está enfrentando ao longo dos últimos dois anos. Os números negativos ainda são acentuados no comércio local, devido aos baixos volumes de vendas e os feriados prolongados, que têm prejudicado sobremaneira a fluidez das transações comerciais e impedindo a circulação de receita que é necessária para a continuidade do ciclo econômico, além de captação de recursos para o pagamento das folhas salariais dos empregados das empresas.
 
O contrassenso da realização da manifestação que, historicamente ocorre no dia 1º de maio, data alusiva às comemorações do dia do trabalhador, para sua realização na próxima sexta-feira, vai diretamente de contra os ideais defendidos, entre os quais a geração de emprego, já que a crise econômica foi responsável por grande parte das demissões dos últimos dois anos. Desta forma, discordamos então, não do ato, mas da data escolhida para a realização da manifestação.
 
Portanto, com a expectativa de manter os postos de trabalho dos empregados dos estabelecimentos comerciais da capital e região, comunicamos que as lojas do comércio na capital e municípios do interior funcionarão em seu horário normal durante a próxima sexta-feira.
 
Hermes Martins da Cunha – Presidente Fecomércio-MT”

11 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • matheus siqueira
    28 Abr 2017 às 20:13

    muito bem, o estado não deve parar por influencias de uma pequena parte da população, devemos debater mas não dessa forma.

  • henrique douglas
    28 Abr 2017 às 20:12

    o estado está mais que certo em não parar por causa disso, nem todos estão contra e não devemos parar por uma minoria.

  • Mario
    28 Abr 2017 às 18:06

    O brasileiro não pode ficar calado vendo seus direitos indo pelo ralo, né?!

  • kalel
    28 Abr 2017 às 16:07

    É muito importante a discussão em busca de uma reforma da CLT e da previdência. Porém o governo federal deveria pensar nas pessoas que serão afetados diretamente através das novas regras. Com certeza o trabalhador não pode aceitar calado.

  • valentina
    28 Abr 2017 às 14:35

    Diálogo é a capacidade de sentar-se com o diferente, de escutá-lo, de se colocar no seu lugar, para entender melhor seus pontos de vista. O exercício do diálogo exige pessoas maduras, em condições de colocarem o bem comum acima dos próprios interesses. As manifestações populares, um direito democrático, devem ser asseguradas a todos pelo Estado, e ser pacíficas. "É fundamental garantir o Estado democrático de direito

  • willian
    28 Abr 2017 às 09:53

    comerciantes so pensam em dinheiro. Tem que fechar ,tem que se unir. Afinal de contas....a previdencia social é pra todos(todos vao se aposentar um dia). É o cumulo,comerciantes tapar o sol com o dedo e abrir. Falta de vergonha na cara!!! Se hj em dia ja esta dificil de se aposentar....imagina quando nossos filhos e nossos netos quando no (no futuro)forem se aposentar??? Isso ninguem pensa! Tem que q parar geral mesmo,tem que se unir...É por um bem maior!!! Fico indignado com isso. E nao é nescessario responder essa opiniao,simplesmente quem nao gostou da um negativo. Mas se pensa como eu da um positivo!!! E tenho dito

  • Maria Célia Andrade
    27 Abr 2017 às 11:34

    Tenho 03 lojas no centro de Cuiabá. Pela falta de transporte público, e pela adesão também da Polícia Civil, (e não sei se outras forças de segurança entrarão na greve) optamos por não abrirmos nossas lojas. Os funcionários também foram dispensados, sem perda do ponto, e sem prejuízo algum, especificamente neste dia. Ou seja, não vamos funcionar! Um abraço.

  • Rafael
    27 Abr 2017 às 10:47

    Isso é uma coisa impressionante, não haverá tantas vendas como em um dia normal, todos em greve, fico triste em ver um povo desunido ao ver um mal que atingira à todos os brasileiros, e simplesmente funcionaram normal.

  • Walter Santorini
    27 Abr 2017 às 10:31

    Prezados, sou comerciante e por questões de segurança, pois a Polícia Civil aderiu a greve, iremos dispensar os funcionários do trabalho, e também pela falta de transporte público.

  • Gilberto
    27 Abr 2017 às 10:26

    Sou contra a violência mais acho que as vezes o bom senso deve falar mais alto que os interesses comerciais e financeiros. Pode haver vandalismo ne?

Sitevip Internet