Agro Olhar

Domingo, 23 de julho de 2017

Notícias / Energia

Custos impedem que energia elétrica em Mato Grosso tenha redução ao consumidor, diz ministro de Minas e Energia

Da Redação - Viviane Petroli

14 Mar 2017 - 16:13

Foto: Rogério Florentino Pereira/Olhar Direto

Custos impedem que energia elétrica em Mato Grosso tenha redução ao consumidor, diz ministro de Minas e Energia
Apesar de ser um dos grandes geradores de energia elétrica, Mato Grosso tem um dos valores mais caros do país. O custo médio da energia elétrica do Estado é o terceiro mais caro do Brasil com o valor de R$ 580,05/MWh. Já os consumidores residenciais pagam R$ 0,50765 o quilowatt/hora. De acordo com o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, não há neste momento a possibilidade de reduzir para os consumidores o valor da tarifa, visto Mato Grosso fazer parte do sistema interligado, onde há custos com fio, transporte da energia e seguro, por exemplo.

Leia mais:
"Energia não é luxo, é qualidade de vida", afirma Taques em anúncio de R$ 284 mi do Luz para Todos
 
Em passagem por Mato Grosso para o lançamento da sétima etapa do Luz para Todos, na manhã desta terça-feira, 14 de março, o ministro de Minas e Energia observou que Estados do Norte sempre perguntam à pasta quanto a redução do valor da energia elétrica. Ele destacou que tais Estados geram muita energia e que boa parte deles exportam.
 
“Mas, como Federação não temos como diminuir a energia em determinados Estados, única e exclusivamente pela geração. Por estarmos em um sistema interligado, temos o custo do fio, do transporte, do seguro, então temos essa despesa como um todo”, explicou Fernando Coelho Filho.
 
Segundo levantamento da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), Mato Grosso tem a terceira energia elétrica industrial (considerando impostos) mais cara do Brasil. O Estado tem o Megawatts a R$ 580,05, ficando atrás do Rio de Janeiro com R$ 628,83/MWh e o Pará a R$ 609,79/MWh.
 
O Ministro de Minas e Energia revelou que o Governo Federal estuda formas de financiar sistemas de energia isolados. Tais sistemas, segundo ele, são os mais caros.
 
Fernando Coelho Filho revelou que ainda nesta terça-feira está agendado um encontro com o ministro de Meio Ambiente, Sarney Filho, onde juntos lançarão um programa de financiamento usando o Fundo Clima, com taxas no BNDES mais baixas, "para que a gente possa financiar esses novos sistemas isolados que vão entrar em operação no futuro e que estão sendo licitados no Ministério de Minas e Energia visando diminuir o custo da geração".
 
O ministro de Minas e Energia lembrou ainda que "a gente tem uma série de passivos que foram contratos no setor elétrico e que infelizmente as consequências estão aparecendo agora. E, eu acho que o nosso maior desafio é não cair na tentação que caímos no passado de forma artificial em querer baixar a conta de energia e logo num futuro muito breve a população como um todo ser chamada para pagar essa conta e com uma correção muito maior".

5 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Maria Stuart Aragão
    15 Mar 2017 às 08:23

    Pq através da mesma produção, a energia no Paraguai é muito barata?

  • Teka Almeida
    15 Mar 2017 às 05:25

    Luz para todos não... o certo será Luz para poucos. Pois com o alto custo, a tarifa mais cara e os altos impostos embutidos em Mato Grosso, poucos ou nenhum dos beneficiados terão como pagar. E o próprio ministro falou que realmente Mato Grosso paga cara e não tem como baixar. Além de ser propaganda enganosa é uma VERGONHA.

  • Fabio
    14 Mar 2017 às 22:33

    O consumidor tem alroveitar e investir em sua própria usina fotovoltaica e se livrar d evez desses consecutivos aumentos de energia. A projeção de crescimento das tarifas de energia é de 10% a.a pelo menos nos próximos 10 anos. Não precisa ser um gênio para ver que a solar já é muito viável.

  • Carlos
    14 Mar 2017 às 19:30

    Brasil terra de ninguém onde a burguesia que explorar o trabalhador para manter seus lucros aproveitem pq a justiça vira cedo ou tarde e quando falo justiça não é dos homens não é A DIVINA

  • CRIS
    14 Mar 2017 às 17:46

    E o valor que foi cobrado indevidamente, quando vão devolver? Já que não podem reduzir, então que devolvam. Simples.

Sitevip Internet