Agro Olhar

Sábado, 24 de junho de 2017

Notícias / Emprego

Na contramão do Brasil, Mato Grosso abre mais de 10 mil postos de trabalho em janeiro

Da Redação - Viviane Petroli

05 Mar 2017 - 07:40

Foto: Pauta Pronta

Na contramão do Brasil, Mato Grosso abre mais de 10 mil postos de trabalho em janeiro
Na contramão do Brasil que fechou 40.864 postos de trabalho no mês de janeiro, Mato Grosso registrou a abertura de 10.010 empregos com carteira assinada. O resultado é puxado pela agropecuária com um saldo positivo de 7.396 vagas e pelo setor de serviços com 2.124. A construção civil foi a única a ter saldo negativo com o fechamento de 333 postos.
 
O resultado é do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado na última sexta-feira, 03 de março, pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Leia mais:
Recessão leva Mato Grosso a fechar 17.990 postos de trabalho em 2016
 
Segundo o balanço do Caged, o saldo de janeiro de 2017 é o melhor desde 2015. A série histórica releva que em janeiro de 2015 haviam sido geradas 6.316 vagas de trabalho e em 2016 um total de 6.900. O melhor resultado desde janeiro de 2003 pertence ao ano de 2014 com a criação de 10.264 postos de trabalho.
 
Por setor econômico, a agropecuária foi a que mais gerou empregos de janeiro deste ano com 7.396 postos de trabalho. O resultado é motivado pela fase de colheita da soja e início do plantio do milho, bem como os trabalhos nas lavouras de algodão.
 
O setor de serviços vem em seguida com 2.124 postos de trabalho gerados. Conforme o Caged, tal saldo positivo foi provocado pelo segmento de comércio e administração de imóveis, valores mobiliários e serviço técnico com 1.257 vagas geradas a mais que o volume de desligamentos de trabalhadores.
 
O caged mostra ainda que a indústria da transformação apresentou saldo positivo de 583 empregos, puxados pela indústria de produtos alimentícios, bebidas e álcool etílico. Já o comércio, que vinha apresentando saldos negativos em 2016, voltou a registrar saldo positivo verificando-se a criação de 239 novos postos de trabalho, puxados pelo setor atacadista.
 
A construção civil teve saldo negativo com o fechamento de 333 postos.

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • jose
    06 Mar 2017 às 08:58

    Se fosse o pagot. ele estava ai com o pé sujo de lama ja com uma equipe doe a quem doer , pé de boi para trabalhar , faz muita falta

  • Mendes
    06 Mar 2017 às 00:27

    Cadê as vagas??? dez mil????? onde????

Sitevip Internet