Agro Olhar

Terça-feira, 17 de outubro de 2017

Notícias / Pecuária

Brasil poderá adotar compartimentação de suínos; ideia partiu de Mato Grosso

Da Redação - Viviane Petroli

18 Fev 2017 - 09:28

Foto: GCom-MT

Brasil poderá adotar compartimentação de suínos; ideia partiu de Mato Grosso
Mato Grosso adotará o projeto "Compartimentação de Suínos do Brasil". É a primeira vez que o modelo é adotado no país e será destinado para a proteção do plantel contra a febre aftosa e peste suína clássica. A proposta partiu de suinocultores do Estado e a adoção do sistema, revela o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), está prevista para até um ano e meio e será voluntária.
 
A adoção da compartimentação de suínos visa para que a cadeia produtiva seja considerada livre de febre aftosa sem vacinação e da peste suína clássica.

Leia mais:
Mato Grosso envia 700 suínos reprodutores para Argentina e intensifica exportações
 
A implantação do projeto piloto foi discutida em Cuiabá nesta semana e contou com a presença do diretor do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Guilherme Marques. Durante a reunião ficou decidida a constituição de um grupo para formular instrução normativa que regulamentará a compartimentação.
 
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) explica que a compartimentação pode ser utilizada em qualquer espécie animal. No Brasil ela começou a ser aplicada pela cadeia produtiva da avicultura para proteção contra a Influenza Aviária e Doença de New Castle. O conceito compartimentação é definido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).
 
O sistema consiste no controle total do risco sanitário, em todos os estágios da produção, desde o material genético, ração, cama aviária (forração com lascas de madeira sobre o piso das granjas, a fim de impedir o contato com água e dejetos), entre outros.
 
O Ministério pontua ainda que a medida elimina a questão geográfica, pois cada granja é um compartimento livre de determinada enfermidade, e, em caso de surto de doença em um estado ou região, facilita a manutenção da exportação e o comércio interno. Outro ponto que a compartimentação possibilita é a negociação de mercados mais exigentes em relação à condição sanitária livre de febre aftosa sem vacinação.
 
O diretor executivo da Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), Custódio Rodrigues, salienta que é imprescindível para que o trabalho aconteça que os setores privado e público trabalhem juntos.
 
Mato Grosso possui hoje um plantel de 2.279.171 cabeças de suínos localizadas em 475 granjas comerciais.

0 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

Sitevip Internet