Agro Olhar

Terça-feira, 17 de outubro de 2017

Notícias / Agricultura

Soja começa a apodrecer na lavoura com excesso de chuvas em Campo Novo

Especial para o Olhar Direto de Campo Novo do Parecis - Willian Tessaro

18 Fev 2017 - 14:00

Foto: Willian Tessaro

Soja começa a apodrecer na lavoura com excesso de chuvas em Campo Novo
A chuva que tem caído em Campo Novo do Parecis não tem assustado somente os moradores. Os produtores rurais do município estão temerosos quanto às perdas na produtividade da soja na safra deste ano. A principal cultura da região está se perdendo. Com excesso de umidade, as maquinas não conseguem fazer a colheita e a semente está apodrecendo na lavoura.
 
Os produtores optam por colher mesmo com registro de 29% de umidade no grão. O agricultor Adriano Aguiar cultiva junto com dois irmãos, Cirineu e José Aguiar, uma área de 2100 hectares de soja na Fazenda São Pedro, a cerca de 60 quilômetros de Campo Novo do Parecis. Segundo ele, apenas 600 hectares foram colhidos.

Leia mais:
Chuva deixa em xeque produção recorde de 30,4 mi/t de soja em Mato Grosso
 
“Até agora a gente conseguiu colher 600 hectares, estamos com uma média boa de 67 sacas por hectare. O problema mesmo é a chuva que não para, mas também não é surpresa nessa época no ano a chuva atrapalhar a colheita, o problema que ela não está dando trégua.”, diz Adriano.
  
Apesar da boa média, o produtor rural está apreensivo com o restante que ainda não foi retirado do campo. “Essa invernada nos pegou de surpresa, a gente espera chuva, mas não tanto, já estamos perdendo. Temos áreas condenadas, tem soja brotando dentro da vagem, em outras áreas os grãos estão podres. É uma pequena parte, não está tudo perdido. Nossos vizinhos também estão preocupados, todos nós estamos. Não via um volume de chuva tão grande aqui na lavoura há uns quatro anos.”
 
Como a umidade está muito alta, os grãos ficam enrijecidos, formando verdadeiros blocos de pedra. Augusto Aguiar filho de Adriano contou que foi necessário usar picaretas para conseguir descarregar o grão. “Os grãos estavam tão úmidos que se juntaram e formaram blocos, estava tão empedrado que tive que usar uma picareta e enxada para poder soltar e descarregar.”
 
Outras lavouras também registram o mesmo problema. É o caso da Fazenda Leila, onde o agricultor Eduardo Segabinazi disse que ficaram cinco dias sem colher. “Há aproximadamente cinco dias que não conseguíamos colher, quando saiu o sol ontem, as maquinas ficaram na lavoura até noite. Uma carga com 25% de umidade perde 20% de soja colhida. O bom seria 14%.”
  
A colheita segue em ritmo lento no município, a previsão não anima em nada os produtores rurais. É esperada muita chuva para a região segundo o Instituto Nacional de Meteorologia.

1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • cuiabano porreta
    18 Fev 2017 às 21:24

    AQUI EM CASA A MUITO TEMPO VOLTAMOS A COZINHAR COM BANHA DE PORCO QUE É MUITO MAIS SAUDAVEL...HÁ GENTE QUE COME DERIVADOS DA SOJA ACHANDO QUE ESTA TENDO SAUDE...COMO PODE ISSO ? É O PRODUTO QUE MAIS RECEBE AGROTOXICOS DURANTE SUA FORMAÇÃO

Sitevip Internet