Agro Olhar

Terça-feira, 17 de outubro de 2017

Notícias / Meio Ambiente

Mato Grosso volta a liderar desmatamento na Amazônia Legal; município de Cláudia na frente

Da Redação - Viviane Petroli

16 Nov 2016 - 08:49

Foto: Sema-MT

Mato Grosso volta a liderar desmatamento na Amazônia Legal; município de Cláudia na frente
Mato Grosso foi responsável em outubro por 41% dos 202 quilômetros quadrados de desmatamento registrado na Amazônia Legal e 91% da degradação constatada. Levantamento do Sistema de Alerta do Desmatamento (SAD), do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), revela que Cláudia (cerca de 606 km de Cuiabá) é o principal municípios em abertura de áreas totalizando 20 quilômetros quadrados, seguido de Lábrea (AM) com 18,6 quilômetros quadrados. Outros cinco cidades mato-grossenses constam no ranking.

Em outubro foram detectados 202 quilômetros de desmatamento na Amazônia Legal. A extensão é 12% menor em relação a outubro de 2015, segundo o Imazon, quando haviam sido detectados 230 quilômetros quadrados. Destes 202 quilômetros, conforme o levantamento, 41% ocorreu em Mato Grosso. Rondônia foi responsável por 28%, o Amazonas 13%, o Pará 12%, Acre 4%, Roraima e Tocantins 1% cada.

Leia mais:
Churrasco de domingo é “culpado” por aquecimento global, afirmam especialistas

Dez municípios são considerados críticos pelo levantamento do Imazon. Cláudia lidera com 20 quilômetros quadrados, seguido de Lábrea (AM) com 18,6 e Ouro Preto do Oeste (RO) com 11,1 quilômetros quadrados.

Dentro os dez municípios Mato Grosso conta com seis entre os principais desmatadores de outubro. Gaúcha do Norte ficou em quinto lugar com 7,2 quilômetros quadrados, Aripuanã com 6,9 quilômetros quadrados em sexto lugar, Santa Carmem com 6,8 quilômetros quadrados em oitavo lugar, seguido de Vila Bela da Santíssima Trindade com 6,2 quilômetros quadrados e Nova Ubiratã com 6,1 quilômetros quadrados em décimo lugar.

Florestas degradadas


De acordo com o estudo o Imazon, em termos de florestas degradadas na Amazônia Legal outubro registrou 297 quilômetros quadrados, uma redução de 71% em relação ao ano anterior quando 1.009 quilômetros quadrados foram verificados.

A degradação ocorreu principalmente em Mato Grosso. O estado foi responsável por 91% da degradação, seguido do Acre com 8% e de Rondônia 1%.

7 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Testemunha ocular
    17 Nov 2016 às 10:35

    Tem muito desmate disfarçado de "limpeza de pastagem".

  • Mário Alberto Lopes
    17 Nov 2016 às 09:27

    Só sei que a SEMA é uma piada estática. As pessoas preferem pagar multas do que esperar as autorizações da SEMA. Tem fazer essa turma trabalhar como IBAMA aí galera fica com medo, agoras desses teóricos de escritório ninguém tem medo. Devia extinguir a SEMA. E demitir quase todo mundo.

  • FABIO
    16 Nov 2016 às 16:44

    E DONA FÁTIMA, SABES O QUE É UM PMFS??? POIS É, ESSE DESMATAMENTO NÃO É PARA EXPLORAR ARVORES, E SIM PARA PLANTAR....ONDE EXPLORA MADEIRA, SEJA LEGAL OU ILEGAL NÃO É UM DESMATAMENTO....E SIM EXPLORAÇÃO....

  • jucelia cristina de moura
    16 Nov 2016 às 11:30

    estado de transformação? só se for a de transformar as florestas em cinzas. o duro é observar os órgãos de controle calados, omissos, igualzinho como fizeram quando da construção da copa do mundo, e deu no que deu.

  • pedro paulo
    16 Nov 2016 às 10:25

    Sinceramente , fico pensando para que serve a SEMA, não há ação concreta desse órgão, não um servidor que saiba diferenciar um cedro de uma bananeira, se não fosse o INDEA fazer a identificação as coisas setiam ainda piores. SAI DO CHÃO SEMA!!!!BOTA ESSES ENGOMADINHOS NO MATO IGUAL O IBAMA.

  • Fátima
    16 Nov 2016 às 09:42

    A REALIDADE É UMA SÓ A FLORESTA DO ESTADO DE MATO-GROSSO VEM SOFRENDO BASTANTE COM O DESMATAMENTO NOS ÚLTIMOS ANOS A BUSCA INCESSANTE PELO LUCRO E O COMODISMO DAS NOSSAS AUTORIDADES SÃO AS PRINCIPAIS CAUSAS DESTE TRÁGICO PROBLEMA, E AINDA MAIS A PORTA DO ESTADO ESTÁ ABERTA( SEM FISCALIZAÇÃO )PARA O TRANSPORTE DE MADEIRAS ILEGAIS COMO A CASTANHEIRA (PROIBIDA DE CORTE) E TANTAS OUTRAS DESDE 2012.

  • Manolo
    16 Nov 2016 às 09:36

    Parabéns Governador Pedro Taques, o Brasil te agradece, siga desmatando sem parar, os teus indicadores te habilitarão nacionalmente no futuro e as gerações vindouras terão todo o respeito pelos antepassados que encheram as burras de metal e desertificaram e aqueceram o planeta...Mato Grosso é um exemplo para o Brasil, sigamos todos quietos, os donos do capital da monocultura agradecem...

Sitevip Internet