Agro Olhar

Domingo, 23 de julho de 2017

Notícias / Agronegócio

Dólar e variação de preços impulsionaram pedidos de recuperação judicial no campo

Da Redação - Viviane Petroli

04 Jan 2016 - 09:27

Foto: Agência Brasil/Arquivo

Dólar e variação de preços impulsionaram pedidos de recuperação judicial no campo
A dolarização, variação de preços e fatores climáticos foram alguns dos fatores que levaram grupos do setor produtivo em Mato Grosso a entrarem na justiça e solicitarem pedidos de recuperação judicial em 2015. A dívida rural de muitos produtores no estado se acumula há mais de 10 anos diante constantes renegociações. Segundo especialistas, "é necessário rever as políticas de garantia, de preços e do seguro rural".

O ano de 2015 para a economia brasileira e mato-grossense foi "apertado" e a tendência, ao menos no primeiro semestre de 2016, é "piorar", conforme o próprio setor produtivo. Como o Agro Olhar comentou recentemente, os maiores impactos sentidos pelos produtores foram quanto ao aumento do custo de produção e o atraso na liberação de recursos do Plano Safra, além dos pedidos de recuperação judicial por parte de grandes grupos, como o Grupo JPupin e o Grupo Pinesso.

Em 2016, a agricultura tende a sentir mais o choque da economia nacional, que deverá ser agravado em função das condições climáticas, como é o caso de Mato Grosso, onde já se projeta perdas de R$ 1 bilhão com a redução da perspectiva de colheita em um milhão de toneladas.

Leia mais:
Especialistas não creem em melhora da economia; requerimentos de recuperação judicial sobem 202% em MT

Conforme o advogado especialista em recuperações judiciais, Bruno Oliveira Castro, a dolarização no mercado do agronegócio, somada a variação de preços, os fatores climáticos e o fluxo da produção são constantes preocupações no setor produtivo. O especialista pontua ser "necessário rever as políticas de garantia, de preços e do seguro rural".

"A dívida rural de muitos produtores se acumula há mais de 10 anos com incontáveis renegociações. Este cenário fica pior ao considerarmos que o produtor independente do seu porte, ao buscar recurso para o plantio, pactuou o pagamento na moeda americana que representava em real entre R$ 1,80 a 2,70. Em decorrência da falta de credibilidade que perdemos no mercado externo e interno em razão da má gestão financeira nacional, especialmente a corrupção, fez com que o dólar disparasse a patamares superiores a R$ 4,00. Com isto, é perceptível que a dívida no agronegócio dobrou. Não há margem de lucro que supere esta realidade", pontua Bruno Oliveira Castro.

Conforme o presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Rui Prado, em recente entrevista ao Agro Olhar, a efetuação de pedidos de recuperação judicial no campo "reflete a crise do nosso país. É um problema, porque uma recuperação judicial não é algo fácil. É uma dificuldade que se tem. É um negócio muito ruim. Isso mostra na prática a crise".

O setor produtivo, de acordo com o advogado especialista em recuperações judiciais, Bruno Oliveira Castro, merece um olhar 'mais sensível', uma vez que "A atividade rural cumpre um relevante papel socioeconômico, uma vez que produz bens e serviços importantes para o desenvolvimento humano, gerando com isso, arrecadação tributária para os Estados, e principalmente gera empregos diretos e indiretos dos trabalhadores. Equilibrando as contas públicas e a balança comercial". O especialista destaca, ainda, que "É da atividade rural e empresarial que depende, diretamente, a maior subsistência da população ativa do país, através principalmente do trabalho assalariado".



*Colaborou Paulo Victor Fanaia

2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Caius Godoy
    04 Jan 2016 às 19:36

    Da cidade ao campo, sem distinções.

  • Zé Guaporé
    04 Jan 2016 às 14:18

    O PT acabou de vez com o Brasil. Todos os setores produtivos, sucumbiram aos demandos governamentais, à corrupção e às leis que só valorizam os maus!

Sitevip Internet