Agro Olhar

Sábado, 24 de junho de 2017

Notícias / Indústria

Crise econômica pode levar 10 empresas a pedir recuperação judicial ainda em 2015 em Mato Grosso

Da Redação - Viviane Petroli

26 Jun 2015 - 07:48

Foto: Assessoria Fiemt

Crise econômica pode levar 10 empresas a pedir recuperação judicial ainda em 2015 em Mato Grosso
A crise econômica do Brasil pode levar cerca de 10 empresas do setor industrial instaladas em Mato Grosso a solicitar pedido de recuperação judicial. Nos últimos 12 meses a indústria em Mato Grosso registrou um estoque negativo de empregos de 6.352 postos, sendo no mês de maio 1.754. Na visão da indústria mato-grossense reduções de ICMS da energia elétrica e combustível, além de logística e incentivos fiscais são os grandes atrativos para novas empresas aportarem no estado, que nos últimos anos só vem perdendo oportunidades.

Levantamento do Cadastro-Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado na última semana pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), revela que Mato Grosso registrou nos últimos 12 meses um estoque negativo de 10.582 postos de trabalho, ou seja, mais demitiu que contratou. Deste 6.352 estão na indústria de transformação e 7.803 na construção civil. Ao se analisar apenas os dados de 2015 verifica-se que apenas em maio a indústria desligou 1.754 pessoas a mais que contratou, sendo a líder em demissão no mês que registrou 1.924 desligamentos a mais que contratações.

De acordo com o presidente da Federação das Indústrias no Estado de Mato Grosso (Fiemt), Jandir Milan, ao contrário do que se pensava a crise econômica brasileira chegou cedo em Mato Grosso. Ele destaca que quando o país entrou em crise no ano de 2008 a situação só foi chegar ao estado dois anos depois.

"Agora esse ano realmente a crise nos surpreendeu. Chegou ao estado. Está instalada já. Nós estamos aí com muitos problemas e desemprego muito alto, tanto na indústria como no comércio. Isso reflete em toda a situação econômica do estado e nós estamos muito preocupados", comenta.

Leia mais:
Frigorífico paralisa as atividades em MT e dispensa 700 funcionários
Empreiteira Três Irmãos Engenharia entra com pedido de recuperação judicial

Somente em junho, como o Agro Olhar comentou, já há informações em Sinop da paralisação das atividades frigoríficas de abates e processamento de carnes do Grupo Frialto, gerando a demissão de aproximadamente 700 funcionários. Nesta semana, como o Olhar Jurídico revelou, as empreiteiras Três Irmãos Engenharia e Ltda e Valor Engenharia Ltda, de propriedade dos empresários Carlos Eduardo Avalone e Marcelo Avalone, ingressaram na Justiça com pedido de recuperação judicial.

Segundo Jandir Milan o artificio da recuperação judicial, como se tem visto muitas empresas em Mato Grosso recorrendo, é "realmente humilhante para uma empresa".

Há uma estimativa que diante a atual situação econômica do país ao menos 10 empresas, incluindo do setor industrial, devem ingressar nos próximos seis meses com pedidos de recuperação judicial, comenta o presidente da Fiemt.

"Realmente o governo federal colocou o Brasil em uma enrascada e o Mato Grosso não está diferente. Nós estamos aí com o estado travado e a gente acredita que algo tem de ser feito. Diria que a consequência para o estado travado é o governo federal, que cortou tudo. O federal que não paga o FEX para Mato Grosso. Mato Grosso tem aí mais de R$ 400 milhões em haver com o governo federal e o governo federal não paga a conta. Não paga os empreiteiros de Mato Grosso, que estão fazendo obras em todas as rodovias federais no estado, como a BR-163, e isso realmente é desemprego que está indo no setor da construção civil, tanto na pesada quanto na construção civil normal”, explica Milan.


Foto: Marcos Bergamasco/Secom-MT

Estado e incentivos fiscais

Conforme Jandir Milan, o "pente fino" realizado pelo governo Pedro Taques veio em boa hora. "Nós não concordávamos com muitos incentivos que estavam sendo proporcionados para empresas que não fazem a transformação de produtos, empresas comerciais. A gente não concorda com isso e o fato de não estar vindo empresas para Mato Grosso, estar chegando empresas novas (industriais), é o motivo que os outros estados possuem mais incentivos que nós".

Milan destaca que os incentivos criados há 10 anos não atende mais Mato Grosso, " porque nós temos os nossos estados concorrentes que são Goiás, Mato Grosso do Sul, o próprio Tocantins e o Nordeste que possuem incentivos melhores que os nossos e aí a empresa quando faz o seu plano de negócios ela visa lucro e se nosso incentivo não for bom a empresa não consegue produtos que deveria ter e isso desvia para outras regiões".

Em entrevista ao Agro Olhar, o presidente da Fiemt revela que o setor já conhece o "novo" projeto de Lei de incentivos fiscais. Ele revela, ainda, que técnicos da federação auxiliaram na elaboração deste novo incentivo. "Eu diria que é uma revolução muito grande o que Mato Grosso irá fazer no incentivo fiscal. Tão logo seja publicado, aprovado na Assembleia Legislativa, Mato Grosso terá uma arma para trazer empresários".

Um grande incentivo, aponta o presidente da Fiemt, que pode auxiliar na atração de novas indústrias é a redução do ICMS da energia elétrica e do combustível, no caso do óleo diesel.

"Atrairia muitas indústrias se tivesse redução e viabilizaria as que estão aqui. O custo da energia é um empecilho muito alto para o estado. Hoje, só perdemos em custo para o custo do Rio de Janeiro e Espírito Santo. Hoje, está ao redor de R$ 630 o megawatt/hora de energia. Isso é um absurdo a nível nacional e internacional. Teríamos que fazer alguma coisa para reduzir essa energia, porque uma indústria trabalha com margem de 3% a 4% e esse percentual de margem está ficando no custo da energia", frisa Milan.

12 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • curioso
    27 Jun 2015 às 19:51

    Cris Silva e Sr. Paulo voces entraram em recuperação judicial

  • ezequiel sinop
    27 Jun 2015 às 11:35

    Procuro pra todo lado, mas não acho a galera q votou no PT.

  • ezequiel sinop
    27 Jun 2015 às 11:35

    Procuro pra todo lado, mas não acho a galera q votou no PT.

  • Fernando
    26 Jun 2015 às 15:09

    Só a indústria cervejeira navega de vento em popa neste Brasil varonil, não sendo preciso dizer os motivos. Estamos longe de dias melhores, na realidade seguimos rumo à uma crise (financeira, moral, institucional, etc) apocalíptica, para posteriormente, caso sobrevivamos, uma guinada em direção de uma sociedade decente.

  • Edinaldo Silva
    26 Jun 2015 às 15:06

    Recentemente, em duas oportunidades pude ler matérias publicadas nos meios de comunicações do nosso Estado, cuja Fiemt afirmava que a crise não havia chegado em MT. Na oportunidade fiz indagações a respeito, visto que atuo no segmento industrial do estado e tenho sentido na pele o reflexo da crise em nosso segmento. Na oportunidade indaguei a Fiemt sobre a fundamentação daquela informação e não tive uma resposta objetiva, sendo informado que a mesma se baseava no CAGED. Eis que agora, após pouco mais de 45 dias, deparo com essa matéria. Fico a me perguntar. Qual a razão para tanta contradição e desalinhamento dentro de num segmento tão importante para MT?

  • Cicero
    26 Jun 2015 às 13:54

    Não vamos dizer Crise e sim uma palavra mais construtiva, que tal CRIE.

  • Cris Silva
    26 Jun 2015 às 10:37

    Não votei no PT, minha consciencia esta tranquila. Sou a favor da alternacia de poder. 4 anos já é tempo suficiente para fazer alguma coisa. Imagine o aumento da criminalidade no país com tanta gente desempregada.

  • Carlos Nunes
    26 Jun 2015 às 10:25

    E o ajuste fiscal nem começou direito. A crise da Economia Brasileira é gravíssima, foi o resultado dos 12 anos de governo do PT, que em vez de focar só nas prioridades, desperdiçou dinheiro com coisas supérfluas, tais como, a Copa do Mundo e as Olimpíadas. Participar de Copa do Mundo, de Olimpíada, é bom...mas CUSTEAR (gastar dinheiro nisso) é ruim prá burro. Agora tem um bando de Obras inacabadas, o VLT, etc, que precisam de um injeção maciça de dinheiro. Em vez de fazer Arenas, deviam ter feito Hospitais, presídios, etc., em vez de fazer CTO (Centro de Treinamento Oficial), deveriam ter feito um CTO (Centro de Transplante de Órgãos). Agora em 2015 e 2016 vão torrar ALGUNS BILHÕES DE REAIS, para ter 18 dias de Olimpíadas lá no Rio de Janeiro. Resta saber: Em Qual região do país, daquelas bem carente, esses ALGUNS BI vão fazer uma falta danada?

  • Heródoto
    26 Jun 2015 às 09:20

    Eu sempre disse que MT rechaça as empresas que se instalam no estado, com os altos impostos. Ninguém aguenta pagar tanto imposto, e ao primeiro sinal de qualquer crise já estão tomando medidas como demissões de funcionários e outras anti progressistqas.

  • antonio
    26 Jun 2015 às 08:38

    Recuperação Judicial? ninguem comenta o fato dos empresários AVALLONE ganharem uma licitação em varzea grande, com um empresa que abiram a exatos 60 dias. Não existe, na lei de licitação, a mínima possibilidade de serem sequer admitidas na licitação. curioso

Sitevip Internet