Agro Olhar

Domingo, 23 de julho de 2017

Notícias / Logística

AGU não consegue liberação de rodovias em Mato Grosso; Justiça manda 9 Estados desbloquear

Da Redação - Viviane Petroli

25 Fev 2015 - 16:31

Foto: Viviane Petroli/Agro Olhar

AGU não consegue liberação de rodovias em Mato Grosso; Justiça manda 9 Estados desbloquear
A Advocacia-Geral da União (AGU) até o momento não conseguiu a liberação de três rodovias federais em Mato Grosso (BR-163, BR-364 e BR-070), bloqueadas há uma semana em decorrência aos manifestos dos empresários do setor do transporte e caminhoneiros. Na segunda-feira (23) a AGU solicitou na Justiça a liberação das rodovias e de 13 Estados em protesto nove tiveram o desbloqueio determinado.

Estão proibidos de realizar qualquer tipo de bloqueios nas rodovias federais Minas Gerais, São Paulo, Bahia, Campo Grande (MS), Curitiba (PR), Feira de Santana (BA), Porto Alegre (RS), Pelotas (RS), Aparecida de Goiânia (GO), Gurupi (TO) e São Miguel do Oeste (SC).

Leia mais:
AGU aciona Justiça para por fim em manifesto nas rodovias; Multa deve chegar a R$ 100 mil/hora
Governo federal dá sinal de querer ‘negociar’ com caminhoneiros; Diesel não deve baixar

Na segunda-feira (23) a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou na Justiça solicitando a liberação das rodovias federais 'fechadas' nos Estados devido aos protestos de caminhoneiros e empresários do transporte de cargas. Na ação a AGU pede ainda a adoção de multa de R$ 100 mil para cada hora parada caso os manifestantes se recusem a liberar o tráfego de veículos.

Em Porto Alegre, Curitiba e São Miguel do Oeste a multa em caso de descumprimento do desbloqueio foi fixada em de R$ 5 mil por hora. Já em Goiânia R$ 1 mil. Para Feira de Santana a multa fixada é de R$ 50 mil por hora de interdição e de R$ 5 mil para motoristas ou participantes que estejam descumprindo a liminar.

"Esse direito de manifestação não pode ser usado de forma abusiva e comprometer a circulação nas rodovias federais, devido à existência de riscos de acidentes, além das cargas perecíveis, inflamáveis e até tóxicas que estão pelas estradas", declara o Procurador-Geral da União, Paulo Henrique Kuhn, em nota no site da Advocacia-Geral da União.

3 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agro Olhar. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agro Olhar poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • Gustavo
    26 Fev 2015 às 19:11

    Como assim risco de acidente se estao parados???

  • rafael
    26 Fev 2015 às 08:38

    "Esse direito de manifestação não pode ser usado de forma abusiva e comprometer a circulação nas rodovias federais, devido à existência de riscos de acidentes, além das cargas perecíveis, inflamáveis e até tóxicas que estão pelas estradas", declara o Procurador-Geral da União, Paulo Henrique Kuhn, em nota no site da Advocacia-Geral da União." MAS QUANDO É PARA OS ÍNDIOS, MST, GLEBA SUIA MISSU, ETC. ETC. fica a teu critério, capachos do PT.

  • CUIABANO
    25 Fev 2015 às 17:50

    Se um procurador desses tivesse um pouquinho de vergonha e sentimento humano, se abstinha de ingressar com pedido. Ele poderia, ocupar seu tempo, em olhar à sua volta e dos órgãos que esses procuradores representam, e se envergonhar de trabalhar para um governo tão corrupto. Avante caminhoneiros, vamos deixar esse povo sem comida mesmo, pois é só assim que esses corruptos olham para as causas sociais.

Sitevip Internet